ÁfricaGuiné-BissauPolítica

Guiné-Bissau/Eleições: PAIGC não consegue maioria absoluta

Bissau - O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) ganhou a eleição legislativa de 10 de Março com 47% dos votos, sem conseguir uma maioria absoluta.

Os resultados provisórios publicados quarta-feira pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE) e que o “Jeune Afrique” teve acesso indicam que o PAIGC obteve 47 dos 102 assentos parlamentares que compõem a Assembleia nacional.

Mesmo assim, prevê-se que o seu secretário-geral, Domingos Simões Pereira volte a ser o Primeiro-ministro da Guiné-Bissau, três anos depois da sua destituição do cargo pelo Presidente José Mário Vaz.

No entanto, para governar, o PAIGC será forçado a negociar com os três  pequenos partidos políticos que conseguiram sete assentos, mormente  o Partido Parti Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), a União para a Mudança (UM) e o Partido da Nova Democracia (PND).

Todavia, o PAIGC terá perante si os deputados que o abandonaram em Agosto de 2018, para formar o MADEM G-15, conquistando 27 assentos, e que aliaram-se ao Partido de Renovação Social (PRS), com 21 assentos, formando um bloco de 48 deputados.

Segundo os resultados provisórios, o partido do falecido Kumba Yala, que obteve 41 assentos em 2014, perde o seu estatuto de primeira formação política da oposição guineense.

Para evitar que o país volte a descambar numa violência política, os grandes partidos engajaram-se recorrer aos meios legais, como o Tribunal supremo, em caso de contestação dos resultados.

De acordo com o presidente da CNE, Pedro Sambù, o pleito correu bem, não havendo, até agora, qualquer contestação.

Domingos Simão Pereira, Secretário- do geral do PAIGC. (Foto: Nelson Malamba)

A população e a comunidade internacional esperam que a eleição venha a resolver e não agravar a crise que o país atravessou desde a demissão, em Agosto de 2015, pelo Presidente Mário Vaz, do então Primeiro-ministro Domingos Simões Pereira.

Nuno Gomes Nabiam, derrotado pelo Presidente Mário Vaz, na segunda volta das eleições presidenciais de 2014, e líder do Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB) com cinco deputados pode fazer pender a maioria absoluta, tanto para o PAIGC, como para a coligação PRS / MADEM G-15.

Se a sorte basculhar para o PAIGC, haverá, de certeza, mais confrontos políticos entre Domingos Simões Pereira e o Presidente Mário Vaz, já que este manifesta a sua preferência para o PRS.

Nestas circunstâncias, parece que na Guiné-Bissau “a procissão ainda vai no adro”. Uma eleição presidencial prevista e cuja data ainda não foi anunciada, deve ter lugar em 2019.

“Nada indica que tais eleições resolverão os problemas que minam o país”, preveniu domingo o secretário-geral da ONU, António Guterres.

O mais alto funcionário da ONU apelou à reforma da Constituição guineense em vigor, para se clarificarem os papéis dos dois responsáveis do Executivo, causas das várias tensões políticas dos últimos cinco anos. (Angop)

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Close