ÁfricaGuiné-BissauPolítica

Governo Guineense diz que introdução de correcções cabe a candidatos

Bissau - A ministra da Administração Territorial da Guiné-Bissau, Odete Semedo, esclareceu terça-feira que a decisão de introdução das correcções às omissões de eleitores nos cadernos eleitorais cabe aos candidatos às presidenciais em conjunto com a Comissão Nacional de Eleições (CNE).

“Não é nossa prerrogativa dizer que se vai utilizar ou não. O Ministério vai continuar o trabalho de correcção das omissões, porque essa correcção que vai ser feita não mexe com o servidor nem com os cadernos eleitorais”, afirmou Odete Semedo.

“O que vai acontecer é que todos os dados corrigidos vão ser guardados. Vai haver a plenária da Comissão Nacional de Eleições com os candidatos [às eleições presidenciais] ou seus representantes e eles é que vão decidir. Vão dizer se queremos que estas 20 mil e tal pessoas votem ou não queremos. Não querendo, os cadernos estão prontos para ir as eleições”, esclareceu a ministra.

Odete Semedo sublinhou também que o Governo não está a fazer qualquer “finca-pé”, mas apenas um trabalho técnico que não vai ser deitado fora.

A ministra da Administração Territorial falava aos jornalistas no final de uma visita à Comissão Nacional de Eleições para entregar simbolicamente a segunda parte de equipamento doado pela China àquele organismo.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) afastou segunda-feira a possibilidade de realização de um novo recenseamento para as eleições presidenciais, marcadas para 24 de Novembro, e recomendou a utilização no escrutínio dos cadernos eleitorais utilizados para as legislativas de 10 de Março, salvo consenso da classe política.

O Governo da Guiné-Bissau está a realizar uma correcção a omissões dos cadernos eleitorais, devido a falhas técnicas, que impediram mais de 20.000 eleitores de votar nas legislativas.

As correcções têm provocado alguma tensão política, com os partidos da oposição a considerarem que as correcções não têm enquadramento legal, sugerindo a realização de um recenseamento de raiz ou novo recenseamento. (Angop)

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ver também

Close
Close