EducaçãoRegiões

Comunidades do Andulo com mais salas de aula

Segundo o director municipal da Educação, Aristides Gonçalves, as escolas estão a ser construídas na comuna de Casumbi e na sede do município,  nos bairros Hospital, Agostinho Neto, Maxinde, nas aldeias de Cachitele e Chicala-Lundibale.

A iniciativa enquadra-se no Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza.
Além das salas de aula, os estabelecimentos de ensino vão ter áreas para biblioteca e campos polivalentes.
O município do Andulo dispõe de 172 escolas, cujo funcionamento é assegurado por 1.389 professores.

Neste ano lectivo foram matriculados 74.354 alunos, nos três primeiros níveis de ensino geral.

Por outro lado, o sector da Educação na comuna de Cassumbi, a cerca de 50 quilómetros da sede  municipal do Andulo, necessita de pelo menos mais 70  professores, para reforçar o quadro docente na região, segundo o administrador comunal.

Carlos Bongo afirmou que a comuna de Cassumbi tem 81 professores, “número insuficiente frente às necessidades” e que há 3.483 crianças em idade escolar  fora do sistema de ensino, por falta de docentes e salas de aula.

Carlos Bongo acrescentou que o reduzido número de docentes faz com que os existentes tenham excesso de carga horária, obrigando-os a leccionar três disciplinas ou classes diferentes, criando assim muitos constrangimentos na programação da matéria que se pretende transmitir

A comuna tem 19 escolas, sendo 17 do ensino primário e duas do primeiro ciclo. No presente ano lectivo estão matriculados 6. 679 alunos, da iniciação à 13.ª classe.

Escoamento dos produtos
Segundo o administrador Carlos Bongo, outro problema da população de Cassumbi é a falta de escoamento dos produtos do campo para a capital da província. Os automobilistas raramente utilizam a via de acesso à comuna, por não apresentar condições de circulação, fazendo com que, na maior parte das vezes, os produtos acabem por se estragar nas áreas de cultivo.

A comuna de Cassumbi, que está a beneficiar de várias infra-estruturas sociais,  tem mais de 20 mil habitantes e a agricultura como a principal fonte de sobrevivência. Na região produz-se  batata rena, batata doce, beringela, tomate, cebola, mandioca, milho, feijão e jinguba. (Jornal de Angola)

Por: José Chaves | Andulo

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Close