NacionalNovas Profissões

Irregularidades no acesso ao sector da Educação na Lunda-Norte

O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, admitiu, na semana finda, no Dundo, a existência de irregularidades no concurso público de 2019 para ingresso de novos professores no sector da Educação, que levou à suspensão do referido concurso pelo ministério de tutela, e pediu desculpas aos participantes pela situação que coloca em risco as 489 vagas atribuídas à província.

Ernesto Muangala atribuiu a responsabilidade pelo sucedido à ex-directora do Gabinete Provincial da Educação, Bernardete Cachoco, e ao ex-chefe de Departamento de Planeamento, Estatística e Recursos Humanos, Jorge Muiamba, exonerados na passada terça-feira.

Segundo o governador, Bernardete Cachoco e Jorge Muiamba prejudicaram a população, criando situações que mancham a imagem do sector e da província, que permitiram, na condição de admitidos, candidatos cujas provas de ingresso não foram corrigidas e pessoas que não constituíram processos individuais para habilitarem-se ao concurso, de acordo com o anúncio do subprocurador geral da República na província.

Este comportamento, sublinhou, manchou a imagem do Governo Provincial e está a criar constrangimentos na conclusão do processo, prejudicando aqueles que, de forma correcta e merecida, foram apurados.

Referiu que o Governo Provincial está a trabalhar com os órgãos de Justiça, sobretudo a PGR, no combate à corrupção, nepotismo, impunidade, bajulação e a todas as más práticas que lesem os interesses dos angolanos.

O governador, que falava na tomada de posse dos administradores adjuntos recentemente nomeados, no âmbito do novo estatuto orgânico das administrações municipais, e do chefe de Departamento de Planeamento, Estatística e Recursos Humanos do Gabinete Provincial da Educação, alertou aos recém-nomeados no sentido de primarem por boas práticas de governação.
Na tomada de posse, marcada pela ausência justificada do novo director do Gabinete Provincial da Educação, que se encontra de quarentena em Luanda, proveniente de Portugal, Ernesto Muangala pediu aos novos responsáveis do sector da Educação a não seguirem o exemplo de antigos gestores, que, “a todos os níveis, tiveram más práticas”.

Recomendou à nova direcção a trabalhar no sentido de concluir o processo do concurso público de 2019, que se encontra suspenso e posteriormente criarem as condições para o próximo concurso público, previsto para este ano.

O governador garantiu que o processo de exoneração das pessoas que foram responsabilizadas no envolvimento das irregularidades registadas no concurso público apenas está na primeira fase e que, nos próximos dias, começa a segunda fase, com a exoneração dos responsáveis municipais da Educação, dos municípios identificados que também mancharam o processo.
Sublinhou que pretende-se contar com pessoas honestas, humildes e patriotas, que têm Angola acima de tudo, e com os que contribuem para o bem-estar da população.

No âmbito do novo estatuto orgânico das administrações municipais, os municípios da província da Lunda-Norte ficaram divididos em tipo A, (Chitato com três administradores adjuntos), tipo B (Cuango e Lucapa, com dois administradores adjuntos), tipo C (Cambulo também com dois administradores adjuntos) e tipo D (Lubalo, Xá-Mu-teba, Caungula, Cuilo e Lóvua, com apenas um administrador adjunto). (Jornal de Angola)

Por: Isidoro Samutula | Dundo

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker