AngolaDestaquesNacionalPolítica

Eleições: Partidos políticos desdobram-se em acções de campanha movidos pela ambição de chegar à Cidade Alta

O sétimo dia da campanha eleitoral fica marcado por um comício do MPLA na província do Bié, protagonizado pelo seu presidente, João Lourenço. A UNITA tem reservada uma marcha no Lobito, em Benguela, uma passeata no Sumbe, no Kwanza Sul, e a arregimentação de militantes nos municípios de Moçâmedes, no Namibe, e de Luanda, com a presença de Adalberto Costa Júnior no Cazenga, para dar a conhecer o seu programa de Governo. Enquanto os partidos se mobilizam para desbravar caminho até à vítória, um grupo de activistas ameaça impugnar o acto eleitoral devido a "inúmeras irregularidades", criticando quer o partido no poder quer os partidos políticos na oposição, que "insistem em fazer eleições não justas".

Este sábado a CASA-CE tem previstas marchas e comícios em Luanda, Uíge e Lunda Norte, enquanto a FNLA arregimenta eleitores na Lunda-Norte. O Partido Humanista de Angola tem programada uma mobilização porta-a-porta na província da Lunda Norte.

O P-NJANGO vai inaugurar este sábado uma sede no Bengo, enquanto a Aliança Patriótica de Angola tem previstos comícios em Mbanza Kongo, no Zaire, e em Moçâmedes, no Namibe, e a FNLA recruta eleitores na Lunda Norte.

O grupo de activistas, que integra elementos que fizeram parte do conhecido processo 15+2, em 2015, e do auto-denominado Movimento Revolucionário Angolano, quer que as eleições gerais de 2022 sejam anuladas e que se reafirme uma nova metodologia de trabalho ou de operação, porque, dizem, a empresa Indra, escolhida para gerir o processo eleitoral, não lhes dá confiança, e devido à “inexistência de condições legítimas e credíveis, que garantam o processo eleitoral livre, justo e transparente”.

“Nós entendemos que todos os partidos políticos que forem concorrer nestas eleições gerais de 2022 estão a ser coniventes com o sofrimento do povo angolano e nós não vamos permitir isso, como jovens. Precisamos de uma Angola justa e transparente, estas eleições têm que ser justas e transparentes”, afirmaram os activistas, citados pela Lusa, durante uma conferência de imprensa realizada na sexta-feira.

O grupo, segundo a Lusa, anunciou a realização de uma marcha no dia 17 de Agosto, em resposta ao pedido de impugnação que será submetido ao Tribunal Constitucional na próxima terça-feira. Estão autorizados a concorrer às eleições gerais de 24 de Agosto os partidos MPLA, UNITA, PRS, FNLA, APN, PHA e P-NJANGO e da coligação CASA-CE. (Novo Jornal)

Tags
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker