DestaquesInfraestruturasNacional

Conceito de construção moderna transforma o centro do Lubango

Arborização compacta e bem tratada, vasto espaço para caminhar, assentos de betão, repuxo, pilares ornamentais, entre outros adornos. Esta é a nova imagem do Largo da Sé Catedral de São José, no “coração” da cidade do Lubango.

Inaugurado há quase duas semanas, pelo ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, a concepção do projecto permitiu mudanças significativas à imagem do largo, que tornou-se fonte de elogios e reconhecimento da população.

A intervenção no espaço, que esteve vários anos degradado, abarcou uma área de aproximadamente três hectares e permitiu ainda criar estacionamento para 229 viaturas, quiosques revestidos em madeira, reabilitar chafarizes, iluminação pública e rede para escoamento das águas pluviais.
Apoiado num dos assentos do largo da Sé Catedral de São José, em companhia de dois familiares, Paulo Walika, que aparenta ter acima de 60 anos, destacou a beleza arquitectónica, a matéria-prima usada e a complexidade da obra. Apontou como facto inédito o cuidado que se teve com a arborização em toda a sua extensão.

“Acredito que nunca antes o Governo pensou em aplicar um paisagismo do porte do largo da Sé”, disse Paulo Walika.
Para se ter ideia da dimensão da empreitada, o engenheiro de obras da empresa construtora, Almeida e Silva, explicou que foram feitas escavações profundas em vários pontos. A rede de esgoto foi o primeiro ponto intervencionado. Posteriormente, o revestimento nas calçadas, instalação eléctrica, telecomunicações, sistema de abastecimento de água e assim por diante. Antes do fim dos trabalhos, foram eliminados os fios colocados desordenadamente nos postes de iluminação, que transmitiam uma imagem negativa da cidade.

Almeida e Silva referiu que o projecto foi dimensionado de forma a se complementar em vários aspectos e o conceito de devolver a rua aos pedestres, sem descartar a tranquilidade que lhe é devida, foi contemplado. Sendo assim, foram instaladas áreas de lazer, preenchidas com mobiliário que se adequa ao bem-estar dos utilizadores.

“As obras foram feitas atendendo todo o conforto que o cidadão merece. Criou-se nova cintura verde, com temperatura mais amena e confortável para os utilizadores do largo”, disse, salientando que foi devolvido ao centro o “status” de “coração requalificado”.
Além da adopção do conceito de tráfego sem constrangimentos, com faixas elevadas para dar maior segurança aos pedestres, Almeida e Silva sublinhou que, tratando-se do centro da capital da província da Huíla, entre as inovações previstas, consta a instalação da rede de Internet.
Recuperada Igreja da Sé Catedral

A requalificação do largo estendeu-se à estrutura da Igreja da Sé Catedral. O administrador paroquial da Igreja, padre Jonas Pacheco, recordou que a luz no fundo do túnel surgiu quando o vice-governador para a área Técnica e Infra-estruturas, Nuno Mahapi Ndala, acompanhado do engenheiro de obras da empresa construtora, Almeida e Silva, tencionavam pintar a igreja como forma de a incluir no processo de restauro do largo.

“Alertei ao vice-governador que a estrutura da igreja estava em péssimas condições e apresentava áreas completamente degradadas”, disse, acrescentando que os responsáveis levaram a informação ao governador Luís Nunes, que tomou a iniciativa de a visitar e, posteriormente, enviar uma equipa técnica para avaliar a situação.

Jonas Pacheco informou que a requalificação da Sé Catedral incluiu a recuperação das portas, armários, estantes, confessionários, escadas, corrimões, substituição de vidros, pintura das paredes interiores e exteriores, escadarias principais e laterais, rampas de acesso, muros, calçadas, rede eléctrica, iluminação, instalação de novo sistema de som, melhoria do sistema de drenagem das águas pluviais, entre outros.

Ícone da cidade

Criada em 1886, um ano depois da chegada dos primeiros madeirenses à zona dos Barracões, o vigário geral da Arquidiocese do Lubango, padre Maurício Kapembe, asseverou que a primeira estrutura da instituição compreendia uma simples capela, erguida em 1902 e nunca havia sofrido obras de reabilitação.
Em declarações, aquando do acto de entrega das chaves, na sequência da remodelação, Maurício Kapembe salientou que o projecto da construção da actual estrutura da igreja é da autoria do arquitecto Fernando Batalha. Recorrendo a comentários da época, o projecto, sustentou, ia ao encontro da velha aspiração dos católicos e até daqueles que não eram, mas tinham amor à cidade.

Com a criação da então Diocese de Sá da Bandeira, pela bula AD Christ Evangellium, de 27 de Julho de 1955, a igreja foi elevada a Cátedra Episcopal, ou seja a Igreja do Bispo. Pela criação da Igreja do Lubango, explicou, a 3 de Dezembro de 1977, ela passou a ser a sede metropolitana da província eclesiástica, que compreende as dioceses de Ondjiva, Menongue e Moçâmedes.
“A igreja matriz do Lubango não é só um fenómeno religioso, é também uma acabada obra de arte, que se apresenta como uma donzela de vários pretendentes”, disse.

Receio de degradação

No âmbito da reabilitação das infra-estruturas integradas na cidade do Lubango, além do largo da Sé Catedral de São José, foram reabilitadas as estradas do Ferrovia, Machiqueira, Mapunda e do Laureano, a marginal do Mukufi, a rua do bairro Minhota, os jardins do Caminho de Ferro de Moçâmedes e do Santo António, entre outros.

A experiência recente, entretanto, leva a que alguns cidadãos estejam receosos, uma vez temerem a degradação prematura dos equipamentos reabilitados.

José Caimbo, por exemplo, defende a aposta na educação e contínua moralização das pessoas para preservar o que está a ser feito.
“Podemos ter o Lubango todo calçado, com vias asfaltadas, jardins, porém, se não houver educação, de nada adianta”, afirmou.

Fernando Século, outro cidadão ouvido, teceu elogios à nova imagem da Sé Catedral e disse que agora cabe à administração municipal traçar um plano para fiscalizar os utentes do espaço. Lamentou a manifesta falta de civismo que tem levado determinados cidadãos a pisar a relva, os assentos e deitar cascas de banana ao chão.
“A Administração Municipal do Lubango deve colocar os fiscais no terreno e, se possível, aplicar multas às pessoas que procedam de forma inadequada”, sugeriu.

Zeza Serrão, por sua vez, declarou que testemunhou o comércio de alimentos no largo dois dias depois de inaugurado. Lamentou que o local é frequentado por pessoas que efectuam exercícios físicos. Criticou o comportamento das pessoas que pisam nos bancos e pediu às autoridades para travar este tipo de anarquia.

“É fundamental que as pessoas saibam viver em ambiente sadio e muitas vezes é preciso ensiná-las. As autoridades devem velar por isso, senão corremos o risco de perder tudo em pouco tempo”, disse.

Arcebispo destaca

O arcebispo emérito do Lubango, D. Zacarias Kamuenho, considerou ser motivo de alegria ter a catedral requalificada, rejuvenescida para melhor servir o povo.
“Agradecemos a Deus e ao Governo, que autorizou e fez com que chegássemos ao dia da recepção das chaves, para, quando possível, recomeçar com as nossas actividades religiosas no interior do templo”, disse.

D. Zacarias Kamuenho elogiou o conjunto da obra e reconheceu que dá gosto ver e mostrar, sobretudo aos turistas, “de sorte que por tudo isto, vemos que o trabalho que se promete, se realiza, por isso, estamos todos de parabéns”.
“O trabalho feito na igreja e no largo é uma demonstração de desafio que se impõe continuar, para servir bem e fazer com que o povo que se sirva da igreja”, disse.

D. Zacarias Kamuenho lembrou que o actual período se tornou ainda mais difícil devido à Covid-19 e informou que as portas da igreja hão-de estar abertas sempre que estiverem reunidas as condições exigidas de biossegurança.

Restos mortais de D. Franklin da Costa

Os restos mortais de D. Manuel Franklin da Costa vão, nos próximos tempos, repousar na Igreja da Sé Catedral, onde serviu, revelou, ao Jornal de Angola, o arcebispo emérito do Lubango.
D. Zacarias Kamuenho informou que a igreja tem estado a trabalhar para transladar os seus restos mortais. Garantiu que tudo está a ser preparado e no devido momento vai-se noticiar, tanto a reabertura, o recomeço das condições preparadas, como também, a quando da exumação dos restos mortais de D. Manuel Franklin da Costa.

O arcebispo reconheceu que a acção está dependente das condições financeiras, mas pode acontecer no decorrer do ano corrente “de sorte que, quando for possível, anunciaremos”.

O D. Zacarias Kamuenho defendeu maior vigilância a partir do pároco e dos que trabalham na pastoral, de sorte que, vai se saber preservar o trabalho feito e fazer com que a catedral, as pequenas coisas que forem aparecendo, sejam logo atacadas e vistas.
“Quanto à praça, é um bem público e, portanto, as autoridades devem assumir a sua responsabilidade para que os comerciantes não se aproveitem do local para realizar actividades ilegais”, aconselhou.

Património histórico

A Igreja da Sé Catedral, obra de arte que se compagina com os “souvenirs” da cidade do Lubango, por mérito próprio, ganhou reconhecimento de património histórico e cultural. Por este feito, tem despertado a curiosidade de peregrinos e turistas provenientes de variadas partes do mundo.

Restaurada que está, o vigário geral da Arquidiocese da cidade disse estar convicto que grande parte do necessário para a sua restauração foi cumprida.
“Tudo quanto aqui foi realizado representa um belo exemplo de coisas bem feitas, mas sobretudo, um sinal positivo para todos quantos atendem pela cabimentação financeira, a favor dos monumentos e sítios, que no âmbito da revalorização patrimonial, careça de alguma intervenção restaurativa ou de sustentabilidade”, disse Domingos Maurício Capembe.

Com um estilo marcadamente gótico moderno, a Sé Catedral comporta duas torres onde se anicha o campanário e o relógio da cidade. No conjunto de características, apresenta ainda expressões da influência de Art Déco, um estilo de artes visuais, arquitectura e design internacional, que na primeira década do século XX, começou na Europa e conheceu o apogeu nos anos 30 do mesmo século. (Jornal de Angola)

Por: Arão Martins | Lubango

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker