CulturaDestaquesMundo

Matera: à descoberta da História na Capital Europeia da Cultura

A cidade de Matera vai ficar para a história já que acabou de ser escolhida como Capital Europeia da Cultura de 2019.

Ao visitar esta cidade do sul de Itália, é fácil perceber que estamos num sítio especial, do qual poucas pessoas ouviram falar. Situada entre a biqueira e o calcanhar de Itália, Matera revela-se aos visitantes através dos seus becos labirínticos estreitos que desembocam em charmosas praças com vistas deslumbrantes.

Cravada na rocha, Matera é uma cidade de outro tempo. Foi durante muitos anos um local desconhecido para muitos apesar de ser uma das cidades continuamente habitadas mais antigas do mundo. Algumas das suas cavernas existem há 9 mil anos, mas ainda eram habitadas na década de 1950. Matera mudou bastante desde essa altura e agora as cavernas, conhecidas como Sassi, foram reinventadas como espaços artísticos, bares e pitorescos alojamentos.

Visitar Matera: mais do que exposições, são experiências a viver

O desejo de descobrir uma cidade debaixo da terra pode ser o principal motivo de atração dos visitantes a Matera, mas depressa se descobre muito mais. Uma cidade que está tão ligada ao seu passado como ao futuro. As cavernas das Sassi, outrora um símbolo de pobreza, são agora apreciadas por nos ensinarem valiosas lições sobre a construção de cidades sustentáveis. Este é o tema principal de Ars Excavandi, a exposição de abertura do programa Matera, Capital Europeia da Cultura de 2019. Os percursos pelas cavernas são o ponto de partida para uma viagem espetacular com início na era paleolítica e que termina com a exploração do que poderá ser a bio-arquitetura no futuro. Uma experiência sensorial de realidade aumentada permite que os visitantes não só possam imaginar, como também ver por si próprios a ligação entre o passado e o presente.

Quando colocamos Matera, em Itália, ao lado de Petra, na Jordânia, na exposição fotográfica Mater(i)a P(i)etra, torna-se claro que apesar das diferenças geográficas, as duas cidades de pedra têm muito em comum. Une-as um passado de civilizações que aprenderam a viver com a pedra e com uma atmosfera única, para além de detalhes práticos: ambas as cidades desenvolveram à sua maneira engenhosos sistemas de canalização subterrânea.

Este ano, enquanto Capital Europeia da Cultura, Matera elaborou um fantástico programa composto por eventos originais e exposições culturais e históricas para todos os públicos. Não irá faltar coisas para ver em Matera, algumas das quais devem ser vividas em primeira mão por serem tão difíceis de explicar por palavras. Por exemplo, o projeto I-DEA acaba por ser mais uma caça ao tesouro do que uma exposição. O I-DEA dá vida à Basilicata, não só enquanto região, mas também como uma rede de maravilhas e um encontro de histórias e objetos que, de outra forma, nunca teriam visto a luz do dia. Ferramentas agrícolas para frutos que não vão existir durante muito mais tempo, instrumentos musicais que poucas pessoas sabem tocar e outras memórias raras e inesperadas do que já foi a vida no sul de Itália.

O Passaporte Matera 2019 é a melhor forma de desfrutar totalmente da experiência Matera Capital da Cultura, um bilhete que garante acesso a tudo o que se irá passar ao longo do programa de 48 semanas, o qual conta com a participação de 800 artistas de todo o mundo.

Da cultura à ciência, uma inspiração

A Matera histórica, palco de diversos filmes de época, possui uma arquitetura única que pode levar o visitante mais incauto a pensar que viajou no tempo. Este ano, os espetadores irão comprovar este ambiente cinematográfico quando Matera for palco da Divina Comédia, a obra-prima de Dante. Toda a cidade será transformada no Purgatório. No mesmo espírito, os habitantes de Matera participarão na ópera Cavalleria Rusticana de Mascagni, apresentada no exterior das Sassi.

A magia vai andar à solta este ano em Matera. Este é um lugar dominado pela imaginação, por vezes de formas surpreendentes. Há 70 anos, as Sassi representavam a Arquitetura da Vergonha e hoje a área é o centro da expressão criativa. A exposição Poetry of Primes (que pode ser traduzida como “Poesia dos números primos”) questiona sobre o facto de uma equação poder mudar a forma como pensamos e vivemos. Pitágoras, Copérnico e Newton pareciam achar que sim. Por isso, Poetry of Primes será composta não só por espetáculos de magia, mas também por espetáculos matemáticos. Em Matera, é muito provável que ambos os universos sejam exatamente iguais. Este é um local onde passado, presente e futuro confluem num só. (Euronews)

 

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Close