CulturaDestaquesMúsica

Morna de Cabo Verde foi classificada Património Mundial da Humanidade

“A nação já pode celebrar: a morna já é Património da Humanidade”, comunicou o ministro da Cultura de Cabo Verde, acerca do conhecido género musical daquele país. A decisão pública deverá ser conhecida em Dezembro, na Colômbia.

O género musical morna foi classificado como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO, comunicou esta quinta-feira o ministro da Cultura de Cabo Verde, Abraão Vicente, numa decisão que será rectificada em Dezembro.

“Caros cabo-verdianos, tenho a sorte, a honra e o privilégio de vos comunicar que hoje o comité técnico dos peritos da UNESCO aprovou o dossier da morna a Património da Humanidade”, revelou Abraão Vicente, na noite de quinta-feira, na sua página pessoal no Facebook. Na mensagem nesta rede social, o ministro adiantou que “a decisão será rectificada em Dezembro”, na Colômbia, “mas a nação já pode celebrar: a morna já é Património da Humanidade”.

A publicação é acompanhada de três fotografias com tocadores e cantores de morna, e uma cópia da passagem do texto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, em inglês) que decide classificar o género musical cabo-verdiano. Esta semana, durante uma visita à Cidade Velha, sítio histórico classificado como Património Mundial da Humanidade na ilha de Santiago, Abraão Vicente disse que a morna seria elevada a Património Imaterial da Humanidade ainda este mês.

Cabo Verde apresentou em Março do ano passado a candidatura da morna a Património Imaterial da Humanidade, cuja decisão pública deverá ser conhecida entre 9 e 14 de Dezembro, em Bogotá, Colômbia, durante a reunião do Comité do Património Cultural Imaterial da UNESCO. O dossier cabo-verdiano contou com colaboração do antropólogo Paulo Lima, especialista português na elaboração de processos de candidatura a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO, como o fado, o cante alentejano e a arte chocalheira.

Em 2012, um ano depois da morte da cantora Cesária Évora, talvez o maior símbolo musical do país, o governo de Cabo Verde tinha aprovado uma resolução que classificava o género musical como Património Histórico e Cultural Nacional, naquele que foi um primeiro passo para a classificação pela UNESCO de Património Imaterial da Humanidade.

A morna é um género musical tradicionalmente tocado com instrumentos acústicos, reflectindo a realidade insular da população de Cabo Verde, o romantismo dos seus trovadores e o amor à terra, o ter de partir e querer ficar, a saudade. Principalmente nas três últimas décadas, a morna tornou-se conhecida mundialmente.

Há cerca de um ano, a cantora e compositora Teté Alhinho, em entrevista ao PÚBLICO, caracterizava assim o impacto da morna no país: “A morna é uma das nossas expressões identitárias mais fortes. Não há nenhum cabo-verdiano que fiquei indiferente a uma morna, porque o cabo-verdiano verteu nela a nostalgia, a saudade da terra, o passar mal, as dores amorosas, as perdas. A temática da morna está relacionada com a dor, embora hoje já mude um bocadinho. E foi através da morna, com a Cesária, que Cabo Verde se deu a conhecer ao mundo, com Sodade, que é uma morna rápida”. Há outros géneros musicais em Cabo Verde, mas a morna sobressai. “É um factor identitário de comunhão entre todos os cabo-verdianos e é algo que nunca vai morrer, que vai existir sempre. Se analisarmos as mornas, podemos ver através delas a história de Cabo Verde.” (Público)

 

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close