CulturaDestaquesTeatro

Fundo da União Europeia concede verba à cultura

Os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste são os beneficiários de um fundo monetário de 19 milhões de euros, disponibilizado por via do projecto “Procultura”, uma iniciativa da União Europeia que tem o apoio do Centro Camões e da Calouste Gulbenkian.

A informação foi dada na terça-feira, em Luanda, pelo presidente do Centro Camões – Centro Cultural Português, Luís Faro Ramos, que destacou o facto do projecto com duração de cinco anos, entre 2019 e 2023, é gerido pelo Centro Camões com parceria da Fundação Calouste Gulbenkian e da Aliança Francesa.

“O projecto já está em curso, quanto ao programa de atribuição de bolsas de estudo para licenciaturas e mestrado, nas áreas ministradas pela fundação Calouste Gulbenkian”, adiantou e acrescentou que a verba é para ser aplicada, directamente, nas áreas da música, artes cénicas e literatura, com realce para a infanto-juvenil.

Luís Faro Ramos disse ainda, que os artistas dos PALOP interessados em participar no projecto ligados a outras áreas, aparte das seleccionadas, especialmente para a verba, devem remeter as suas propostas no Camões – Centro Cultural Português para a devida apreciação e aprovação.
O programa, continuou, inclui uma cláusula denominada “Diversidade”, cuja finalidade é agregar outras iniciativas da cultura que não apenas a música, a literatura e o teatro. Porém, este programa dispõe, apenas, de um fundo de cem mil euros, para cada país visado e é gerido pela Aliança Francesa.

“Queremos aproximar o projecto às necessidades de cada país. Queremos, que cada um dos países contemplados, se aproprie do projecto, porque estamos a falar de uma iniciativa única que é capaz de conciliar cultura e desenvolvimento. A nível de resultados, acreditamos ser uma jornada para potenciar os agentes destes países a acederem com maior competitividade, aos mercados internacionais”, destacou.
Com o intuito de dinamizar a cultura nos PALOP e Timor Leste, Luís Faro Ramos destacou ainda o facto da implementação do projecto “Procultura” permitir a criação de 800 novos postos de trabalho, na área da cultura. (Jornal de Angola)

Por: Matadi Makola

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close