CooperaçãoDestaquesMoçambique

Filipe Nyusi: “Não se combate o terrorismo sozinho”

Presidente moçambicano deixa recado a críticos: "Em nenhum momento" o país recusou ajuda na luta contra o terrorismo. Nyusi teve encontros bilaterais em Paris para consolidar apoios nos setores de segurança e economia.

Foi a Cimeira Sobre o Futuro das Economias Africanas, organizada pelo Presidente Emmanuel Macron, que levou Filipe Nyusi a Paris. Mas foram os encontros bilaterais, ainda antes do evento desta terça-feira (18.05), que marcaram a deslocação do Presidente de Moçambique.

A manhã começou com o rescaldo do encontro da véspera com o presidente do conselho de administração da Total, que suspendeu os trabalhos na província na sequência dos ataques a Palma, em março. Nyusi repetiu uma promessa que já não é nova: a petrolífera francesa vai voltar a Moçambique quando Cabo Delgado estiver livre dos ataques terroristas

“A Total pode exigir que haja tranquilidade e haja paz para desenvolver os seus projetos económicos”, disse Nyusi. A multinacional “tem ajudado em termos de responsabilidade social, com hospitais e escolas. Ajudou na distribuição de água à população [e volta] quando estiver calmo”.

Bildkombo Filipe Nyusi und Patrick PouyannéNyusi e Pouyanné falam em retorno da Total a Cabo Delgado

Voto de confiança

Do lado da Total, o voto de confiança em Maputo. “Assim que Cabo Delgado volte a ter paz, a Total voltará”, garantiu o CEO da petrolífera francesa, Patrick Pouyanné.

Pouyanné classificou a situação enfrentada pela empresa em Palma como “dramática”. “Tivemos de tomar decisões”, nomeadamente “não manter pessoal em Afungi” (local de construção do projeto), disse o responsável, acrescentando que a empresa tem “plenamente” confiança no Governo moçambicano para apaziguar a região.

A paz em Cabo Delgado continuou em debate em Paris, com o Presidente moçambicano a encontrar-se com o chefe do Governo português. António Costa diz que Portugal está disponível para ajudar a resolver o conflito no norte de Moçambique, em linha com os parceiros europeus

“A União Europeia está neste momento a fazer a geração de forças para uma equipa técnica e de formação em Moçambique, e estamos disponíveis para integrar outras forças e outros apoios que sejam necessários”, explicou Costa.

Symbolbild Portugal EU-RatspräsidentschaftAntónio Costa: “A expetativa é que os nossos parceiros europeus correspondam ao apoio”

O primeiro-ministro português destacou que o Governo de Portugal tem falado com parceiros europeus, como a França.

“Nós temos apoiado a França em outras ações e recordo que, depois dos ataques terroristas em Paris, Portugal mobilizou uma força que tem estado presente há mais de cinco anos na República Centro Africana. […] Quando se trata de amigos tão próximos como é o caso de Moçambique, a expetativa que temos é que os nossos parceiros europeus correspondam ao apoio”, disse António Costa.

Novo recado

À saída da reunião, Filipe Nyusi deixou um novo “recado” a quem critica o seu Governo pela alegada resistência à ajuda internacional.

“Não se combate o terrorismo sozinho e Moçambique, em nenhum momento, recusou apoio. Aliás, Portugal está em Moçambique com uma equipa de jovens que estão a trabalhar com as forças de defesa, mas também países americanos e países africanos”, ressaltou Nyusi.

O chefe de Estado moçambicano destacou que a próxima fase do apoio depende do contacto entre países e do que cada país teria a oferecer. A começar por França, numa altura em que ainda se desconhecem os resultados do encontro de Nyusi e Macron no Palácio do Eliseu, à margem da cimeira desta terça-feira que visava mobilizar pelo menos 82,3 mil milhões de euros para o continente recuperar da pandemia de Covid-19 e também combater o terrorismo.

Axel van TrotsenburgTrotsenburg disse que Banco Mundial “não vai abandonar” Moçambique

“Não vamos abandonar”

O diretor de Operações do Banco Mundial, Axel van Trotsenburg, encontrou-se com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, à margem da Cimeira Sobre o Futuro das Economias Africanas.

Trotsenburg disse que a instituição financeira “não vai abandonar” Moçambique. O executivo defendeu que o desenvolvimento sustentável é essencial para sustentar a paz em Cabo Delgado.

“O Banco Mundial quer trabalhar com Moçambique para ver como é que a partir do desenvolvimento sustentável é possível acompanhar o país na busca pela paz. É um processo difícil, mas não vamos abandonar o país”, assegurou Trotsenburg em declarações aos jornalistas em Paris.

Axel van Trotsenburg considera que o terrorismo é “um desafio terrível” e um dos problemas mais difíceis de resolver em termos de impacto nas economias, mas o apoio do Banco Mundial é total, assegurou. (DW)

Por: Maria João Pinto com Agências

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker