AngolaDestaquesEconomia

Sindicalistas e professores criticam contratação de assessores portugueses para elaboração dos primeiros exames nacionais

Líder da Central Geral dos Sindicatos Livres de Angola (CGSILA) diz que o país está a passar o seu próprio certificado de incompetência.

Sindicalistas e quadros da educação em Angola consideram a decisão do Governo de recorrer à assessoria portuguesa para a elaboração e realização dos primeiros exames nacionais no país como reveladora da falta de valorização dos quadros angolanos.

Os governos de Angola e Portugal assinaram na sexta-feira, 6, em Luanda, um protocolo relativo ao projecto-piloto “Exames Nacionais Angola 2022”, que será realizado em Junho para 2.100 alunos das 18 províncias angolanas nas disciplinas de língua portuguesa e matemática.

O sindicalista Francisco Jacinto diz que a decisão do Governo “denota falta de patriotismo” por parte dos gestores do país e revela o ostracismo a que são remetidos os quadros angolanos, que afirma serem muitos.

O também líder da Central Geral dos Sindicatos Livres de Angola (CGSILA) acrescenta que com esta atitude o país está a passar o seu próprio certificado de incompetência.

“Nós desprezamos os angolanos e pergunto se passados 47 anos de Independência aquele que está na liderança do país sente-se como angolano e disposto a realizar o país. Parece-me que não”, sustenta.

Por seu turno, o professor Eduardo Hilário diz à VOA a partir de Malanje que “a não valorização dos quadros, grande parte formada em Portugal, tem levado a país ao abismo”.

Hilário manifesta-se desapontado com o reiterado recurso à assessoria portuguesa, afirmando que “ o país tem quadros capazes de fazer o mesmo trabalho”.

“Não faz qualquer sentido”, considera o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Professores (SINPROF), Admar Ginguma.

Para o sindicalista, “o país tem professores qualificados em matéria de avaliação para dar corpo aos exames nacionais”.

Pelo menos 250 técnicos da educação de Angola, maioritariamente professores, estão a ser formados por formadores portugueses, nas disciplinas de língua portuguesa e matemática, visando a realização dos primeiros exames nacionais em Angola, previstos para 23 e 24 de Junho.

A ministra da Educação Luísa Grilo afirma que o protocolo vem sinalizar a “responsabilidade e o sentido de compromisso” assumido entre as duas partes (Angola e Portugal) na realização dos exames-piloto, daí o recurso ao apoio especializado português para a avaliação externa do sistema educativo angolano.

Apesar da extensão territorial angolana, “onde as províncias são muito distantes uma da outra”, Luisa Grilo manifesta grande expectativa sobre os exames e acredita que esta primeira avaliação “vai correr bem, sobretudo devido à motivação” dos professores e formadores. (VOA)

Tags
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker