AgriculturaAngolaDestaquesEconomiaRegiões

Falta de mercado impede aumento da produção de ovos

Waku Kungo - Cerca de cem milhões de ovos ano é o que o projecto Aldeia Nova, situado no Waco Kungo, produz anualmente, estando impedida de aumentar a produção por falta de mercado, disse neste sábado, no Cuanza Sul, o director-geral do projecto, Kobi Trivizki.

Ao falar numa visita que o secretário do Presidente da República para o Sector Produtivo, Isaac dos Anjos, efectua a província, sublinhou que 96 % da matéria-prima de todos os produtos da Aldeia Nova são de produção do projecto, que produz nesta altura 8 mil toneladas anual de ração para os animais.

Em termos de números, nesta altura o projecto está com um produção de 50 mil caixas de bolos anuais e de lacticínio está com cerca de meio milhão de litros para queijo e 36 milhões para gelado.

Kobi Trivizki, avançou que em 2018 o projecto produziu mais de mil e 800 litros de leite fresco.

De acordo com o mesmo, no primeiro semestre deste ano, a empresa facturou 600 milhões de kwanzas com a venda de produtos do matadouro.

Fez saber que nesta altura tem 14 aldeamentos produtivos, 780 casas, com mais de 700 trabalhadores directos, beneficiando 5 mil pessoas.

O projecto deve ao Estado 400 milhões de kwanzas, mas a divida do Estado para com a empresa é de 7 milhões de dólares.

Diz que a Aldeia Nova gasta mais de 60 mil dólares/mês  para abastecer água ao Waku Kungo.

Assegurou que a intenção é contribuir para o processo de diversificação da economia nacional e desenvolvimento sócio económico dos pequenos agricultores e produtores da região.

A Aldeia Nova faz parte da lista das 195 empresas detidas ou participadas pelo Estado, que deverão ser alienadas pelo Programa de Privatizações de Empresas (Propriv).

A visita que o secretário do Presidente da República para o Sector Produtivo, Isaac dos Anjos, desenvolveu nos dias 5 e 6 na província do Cuanza Sul, tendo visitados empresas nos municípios da Quibala e Waku-Kungo, surge após a aprovação pela Comissão Económica do Conselho de Ministros, a 26 de Fevereiro deste ano, do calendário de visitas a empreendimentos públicos e privados de várias áreas correlacionadas com o sector produtivo. (Angop)

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close