Comércio e IndústriaDestaquesEconomiaMundo

China registra primeiro crescimento das importações desde pandemia, exportações sobem em junho

As importações da China subiram pela primeira vez desde que a crise do coronavírus paralisou a economia, uma vez que o estímulo do governo alimentou a demanda por commodities, enquanto as exportações foram impulsionadas por produtos médicos e avançaram em sinal de que a recuperação está ganhando força.

As importações da China em junho subiram 2,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior, mostraram dados da alfândega nesta terça-feira, contra expectativa do mercado de queda de 10%. Elas haviam caído 16,7% no mês anterior.

As exportações também aumentaram inesperadamente, marcando um ganho de 0,5% que sugere que a demanda global está começando a subir de novo conforme muitos países começam a aliviar as medidas contra o vírus. Analistas estimavam recuo de 1,5% após queda de 3,3% em maio.

O desempenho das exportações da China não foi tão afetado pela desaceleração global como alguns analistas temiam, sustentado pelo embarque de máscaras, equipamentos de proteção pessoal e computadores.

“A melhora significativa nas importações da China é uma indicação da recuperação econômica em aceleração da China, que tem sido direcionada principalmente por aumentos substanciais nos investimentos em setores como imobiliário e infraestrutura”, disse Boyang Xue, analista da DuckerFrontier.

As importações chinesas dos Estados Unidos subiram 11,3% em junho, revertendo a tendência de queda de dois dígitos vista após o surto de coronavírus.

“Diante das dificuldades apresentadas pela epidemia, ainda estamos honrando nossos compromissos e implementando do acordo (comercial)”, disse o porta-voz da alfândega, Liu Kuiwen, a repórteres nesta terça-feira.

O superávit comercial da China com os EUA aumentou para 29,41 bilhões de dólares em junho de 27,89 bilhões em maio.

No total, o superávit comercial chinês em junho foi de 46,42 bilhões de dólares ante resultado positivo de 62,93 bilhões em maio. PEQUIM (Reuters) -(UOL)

Por: Stella Qiu | Gabriel Crossley

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker