AngolaDestaquesEconomiaEmpresasMoeda e Bancos

BNA vai injectar na banca 50 milhões de dólares/dia

O Banco Nacional de Angola (BNA) vai colocar à disposição dos bancos comercias, a partir de hoje, 50 milhões de dólares por dia, para desencorajar a tendência da subida da taxa de câmbio, que se verifica em vésperas da quadra festiva.

Ao todo, serão colocados à venda em leilão, até sexta-feira, 250 milhões de dólares, devendo a instituição divulgar, no termo de cada sessão, o montante efectivado, as taxas de câmbio mínima, média e máxima e o número de participantes, refere um comunicado do BNA a que Jornal de Angola teve acesso.

A Medida insere-se nos esforços de estabilização da taxa de câmbio e de redução do diferencial entre as taxas dos mercados oficial e paralelo.

Na sexta-feira, após uma reunião do Comité de Política Monetária do BNA, o governador daquela instituição, José de Lima Massano, anunciou um conjunto de medidas, algumas em execução e outras por implementar a partir de Janeiro, destinadas a normalizar o mercado cambial.

Uma das medidas anunciada pelo governador do BNA é a retirada progressiva do banco central do mercado cambial, deixando para os bancos comerciais o negócio de aquisição de moedas estrangeiras às companhias petrolíferas.

“Desde 2014 que as companhias petrolíferas passaram a vender moeda de que necessitam para corresponder a pagamentos a residentes cambiais ao Banco Nacional de Angola”, disse o governador, estimando essa quantia em 240 a 250 milhões de dólares (217,8 milhões a 226,9 milhões de euros) por mês.

“A nossa intenção é, o mais cedo possível, passarmos estas operações para o mercado secundário (bancos comerciais) permitindo uma relação mais directa entre estes participantes, mas termos também o Banco Nacional de Angola a sair progressivamente de um espaço que não lhe pertence”, enfatizou o mesmo responsável.

E José de Lima Massano acrescentou: “O BNA não tem essa vocação, não é sua missão intervir diariamente no mercado cambial, comprando ou vendendo divisas. Temos de deixar o mercado funcionar”.

O governador do BNA salientou que, por isso, é necessário haver “mais entidades, mais participantes, do lado da venda aos bancos comerciais” uma intenção “que não é nova” e que levou o BNA a explorar “várias opções” para fazer essa transição com segurança, lembrando que, no passado, houve uma situação de “excessiva concentração dessa moeda num ou noutro banco”. (Mercado)

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close