AngolaCooperaçãoDestaquesEconomia

Angola apreende à LLI International (China) participação na maior mineira de diamantes do país

Angola adquiriu uma participação na maior mineradora de diamantes do país, à LLI International, uma unidade da China Sonangol, que anteriormente era um investidor chinês bem relacionado no país.

“A Procuradoria-Geral da República de Angola bloqueou a participação da LLI no Catoca em 2021 e transferiu o controlo desta participação de 18 por cento para o organismo estatal IGAPE”, que gere as participações governamentais em empresas, disse Catoca em comunicado divulgado este mês.

O movimento dá a Angola 59 por cento do controle de Catoca, que possui a quarta maior mina de diamantes do mundo (foto acima). Os proprietários da Catoca incluem a russa Alrosa, a maior

gest mineira de diamantes e sujeita a sanções dos EUA, a empresa estatal angolana de diamantes Endiama.

A China Sonangol era a mais proeminente do chamado Grupo Queensway de empresas, anteriormente centrado em Sam Pa, um magnata chinês que fechou negócios de recursos em África. A empresa foi criada há quase duas décadas como uma joint venture entre uma empresa do grupo Queensway e a Sonangol, a petrolífera estatal angolana.

O paradeiro de Pa, que foi detido em Pequim em 2015 em uma investigação de corrupção, é desconhecido. “Podemos declarar para o registro que não há relacionamento atual com o Sr. Sam Pa”, disse China Sonangol ao Financial Times.

A China Sonangol indicou que está a levar a questão aos tribunais. “Como nomeamos um advogado angolano para nos representar neste assunto e este assunto está nos tribunais angolanos, não podemos comentar mais sobre isso”, disse a China Sonangol.

Angola tem vindo a “investir fortemente na melhoria da sua imagem” como produtor de diamantes, disse Hans Merket, investigador de recursos naturais do International Peace Information Service. “Todos os grandes players estão a ver como podem voltar a actuar em Angola”, disse ele ao Financial Times, acrescentando que há riscos para esta estratégia devido ao envolvimento da Alrosa.

Os EUA impuseram sanções à Alrosa em Abril como parte do que disseram ser um “esforço contínuo para restringir o acesso do Kremlin a ativos, recursos e setores da economia que são essenciais para suprir e financiar a brutalidade de [Vladimir] Putin”.

Catoca disse que não foi afectada pelas sanções “porque a Alrosa não participa directamente na gestão da empresa, ao nível das operações mineiras e gestão de vendas”. Sob a chamada regra dos 50%, as sanções dos EUA aplicam-se a empresas detidas por proprietários sancionados apenas se tiverem controle maioritário. (CLBrief)

Tags
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker