ÁfricaDestaquesEconomia

Análise: África não tem demasiada dívida, paga é demasiado pela dívida

O professor de Finanças da Universidade da Cidade do Cabo Misheck Mutize defendeu hoje que não existe uma crise da dívida nos países africanos e salientou que o problema é as taxas de juro serem demasiado altas.

Num artigo publicado no site The Conversation, Misheck Mutize argumenta que “o alarme de dívida que está a ser soado pelas organizações internacionais de gestão de dívida é exagerado, porque o problema não é que os países africanos se estejam a endividar demasiado, mas sim que estão a pagar juros demasiado altos”.

No texto, o académico que é também consultor do Mecanismo de Revisão que funciona no âmbito da União Africana sobre os ‘ratings’ escreve que “o Fundo Monetário Internacional acredita que os países africanos estão numa espécie de ‘corrida à dívida’ e que metade deles estão perto ou já com dívida problemática [‘debt distress’, no original em inglês]”.

Na explicação, o professor de Finanças lembra que quando se analisa o peso da dívida de um país, usa-se o nível de dívida face ao PIB e o custo de servir essa dívida, ou seja, os pagamentos de juros.

Sobre o nível de dívida face ao PIB, “tirando quatro países (Cabo Verde, Djibouti, Congo e Moçambique), todos os outros têm níveis a rondar os 60%, que é o limite considerado prudente pelo FMI e pelo Programa de Cooperação Monetária Africano”.

Tentando desmontar a tese de que existe uma crise da dívida na África subsaariana, Misheck Mutize afirma que “as emissões de dívida representam apenas 1% do PIB do continente, que tem uma taxa de crescimento económico médio de 4%”.

No entanto, continua, “os governos africanos estão a pagar juros de 5% a 16% nos títulos a 10 anos, comparado com zero ou taxas negativas na Europa e na América e, em média, os pagamentos de juros são o gasto mais alto da despesa e continua a ser a despesa com crescimento mais rápido nos orçamentos dos países da África subsaariana”. (Plataforma)

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker