DestaquesDiplomaciaPortugal

Vistos para Portugal envoltos em denúncias de esquemas de corrupção

Multiplicam-se queixas de supostos actos de corrupção na obtenção de vistos de Angola para Portugal, numa altura em que os dois países acabam de validar acordo bilateral de facilitação. Sobre queixas de alegadas cobranças milionárias, consulado luso admite conhecer «algumas situações pontuais» de «pessoas sem escrúpulos, intermediários e/ou agências».

Requerentes de vistos de curta duração para Portugal estão alegadamente a ser vítimas de extorsão por parte de elementos supostamente afectos ao consulado luso em Luanda, sendo-lhes cobrado valores que chegam a superar os dois milhões de kwanzas para verem acelerado o processo de concessão, apurou o Novo Jornal.

Em meio à publicação, em Diário da República datado de 29 de Setembro, de um protocolo bilateral entre Angola e Portugal, com o objectivo de facilitar a obtenção de vistos para fins académicos, desportivos, culturais, científicos e tecnológicos, bem como para cidadãos em busca de tratamento e seus respectivos acompanhantes, Paula Mavungo, 44 anos, e Afonso de Almeida, 50, dão rosto a uma denúncia que a maioria prefere fazer em anonimato.

Por exemplo, Paula Mavungo, empresária angolana residente em Cabinda, está há quase um ano na luta por um visto de turismo que anda “encalhado” devido a razões que desconhece.

“Depois da entrevista, disseram-me que tinha falhado qualquer coisa e, por isso, deveria voltar a fazer o pedido [de visto] três meses depois”, explica a comerciante, antes de acrescentar que, nos meses seguintes, se viu “atirada” para uma série de “curvas”, até supostamente um funcionário do Consulado Geral de Portugal em Luanda lhe solicitar uma “gasosa” de 400 mil kwanzas, que, no entanto, embora tenha sido já paga, não chegou para resolver o problema, quase 12 meses depois. (Novo Jornal)

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker