DestaquesDOSSIER CORRUPÇÃOJustiçaPortugal

Armando Vara condenado a dois anos de prisão efectiva por branqueamento de capitais

Trata-se da primeira condenação retirada da Operação Marquês

Armado Vara foi condenado, esta terça-feira, pelo Tribunal Central Criminal de Lisboa, a dois anos de prisão efetiva, por um crime de branqueamento de capitais, em processo separado da Operação Marquês.

Sublinhe-se que, nas alegações finais, o Ministério Público (MP) tinha pedido a condenação do arguido a pena efetiva de prisão não inferior a dois anos e não superior a três.

Hoje, o tribunal “deu como provado quase todos os factos” da acusação do Ministério Público.

Segundo o tribunal, o arguido “exerceu as mais altas funções públicas, contribuiu para a condução dos destinos no país e tinha rendimentos declarados acima da média”, tendo “o dever moral de agir de uma forma diferente de como o fez”.

Recorde-se que, na acusação, o MP considerou que o ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos sabia que o dinheiro que fez circular por contas offshore tinha origem fiscal e que o quis esconder para não ser confiscado e responsabilizado pelo crime.

À saída do tribunal, o advogado de Armando Vara considerou a decisão “injusta”.

Armando Vara estava acusado no processo Operação Marquês de crimes de corrupção, branqueamento e fraude fiscal qualificada, mas, por decisão instrutória do juiz Ivo Rosa, conhecida a 9 de Maio, foi julgado em processo separado unicamente por um crime de branqueamento de capitais.

Recorde-se que o ex-ministro, de 67 anos, está a cumprir uma pena de prisão efectiva de cinco anos no âmbito do processo Face Oculta, no qual foi condenado por tráfico de influências. (Sol)

Tags
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker