AnáliseAngolaDestaquesDOSSIER CORRUPÇÃO

Angola: Para quando o fim da recessão?

Três anos após a sua eleição, João Lourenço, "o homem da mudança", luta para convencer. Em 2020, Angola registou o quinto ano consecutivo de recessão.

A pressão sobre os ombros do Presidente angolano, João Lourenço, não diminui. Faltando apenas dois anos para as próximas eleições gerais, em 2022, o sucessor de José Eduardo dos Santos, eleito em 2017 com a promessa de ser o homem da mudança, luta para se convencer.

Em sua defesa tem de lidar com uma situação extremamente difícil, que combina crise económica e sanitária, descontentamento social sem precedentes e tensões políticas acirradas no seu campo, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

Todos os indicadores estão no vermelho. Em 2020, Angola, o segundo maior produtor de petróleo do continente atrás da Nigéria, registou o quinto ano consecutivo de recessão (-4%).

Somada à crise causada pela queda no preço do ouro negro desde meados de 2014, estava a pandemia Covid-19. Como resultado, a inflação dispara (21% em 2020), a moeda nacional (o kwanza) desaperta, o desemprego salta (oficialmente para 34%) e a dívida pública aumenta (para 123% do PIB no final de 2020).

Uma cruzada anticorrupção que fracassou

Ao mesmo tempo, a estratégia de ruptura, personificada pela cruzada anticorrupção, fracassou. É certo que permitiu a realização de golpes: o congelamento preventivo dos bens de Isabel dos Santos, filha do ex-presidente, no final de 2019 em Angola e no início de 2020 em Portugal; a condenação do filho do ex-chefe de Estado, José Filomeno dos Santos , a cinco anos de prisão por fraude, branqueamento de capitais e tráfico de influência, em agosto (foi interposto recurso);

a recuperação de bens de ex-pessoas muito próximas de José Eduardo dos Santos, generais Dino (Leopoldino Fragoso do Nascimento) e Kopelipa (Manuel Hélder Vieira Dias), em Outubro.

Mas essas vitórias da mídia não escondem a fragilidade do combate à corrupção, que parece cada vez mais seletiva. A manutenção no cargo do chefe de gabinete do presidente, Edeltrudes Costa, suspeito de conflito de interesses e enriquecimento com a obtenção de contratos públicos, gerou críticas da oposição e protestos de jovens – reprimidos pela polícia.

Um caso que faz eco do caso de Manuel Vicente, o ex-vice-presidente dos Santos permaneceu próximo de Lourenço e gozando de imunidade até 2022.

Uma dívida chinesa tão pesada

A primeira das tarefas de Lourenço para este ano será reconquistar a confiança dos angolanos, desiludidos com a esperança que a sua eleição suscita. Para alguns observadores, o desafio é evitar uma explosão social. Sinais fortes podem ser enviados.

No plano político, seria finalmente uma questão de fixar uma data para a realização das primeiras eleições autárquicas da história do país, repetidamente adiadas por Santos e prometidas por Lourenço.

No plano social, a presidência teria interesse em repensar sua resposta policial e judicial ao descontentamento, garantindo ao mesmo tempo uma real liberdade de expressão na mídia.

No entanto, é no lado económico que a batalha será mais dura, em particular na gestão da dívida. Se Angola vai beneficiar da moratória concedida pelos países ocidentais do G20 até Junho, o país ainda tem de negociar com a China, seu principal credor . Segundo a ministra da Fazenda, Vera Daves, está prevista uma redução de 6 bilhões de dólares nos prazos até 2023. Mas a relação com Pequim é estimada em 20 bilhões …

Um presidente muito solitário

Este endividamento aliado à crise económica e sanitária dificulta o andamento das reformas, embora numerosas, lançadas por Lourenço. A tão esperada diversificação da economia deverá diminuir ainda mais, já que o governo prevê crescimento zero este ano e se esforça para manter o nível de produção de petróleo e receitas associadas.

Acima de tudo, o conjunto de privatizações anunciadas, que deverão permitir a entrada de novos players estrangeiros e o surgimento de sólidas operadoras nacionais, corre o risco de se transformar em liquidação.

Em tal contexto, “JLo” precisa de aliados. No entanto, apesar do apoio reafirmado de doadores internacionais , o presidente parece bastante sozinho. A multiplicação de isenções em seu governo mostra que ele ainda busca retransmissores confiáveis.

O aumento das tensões dentro do MPLA atesta a relutância em embarcar num modo de governação mais transparente. O diálogo construtivo com a oposição continua impossível. Para quebrar o impasse, Lourenço, puro produto do antigo sistema, não tem escolha senão decidir entre a continuidade ou a ruptura. (Jeune Afrique)

Tags
Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker