ÁfricaDestaquesGuiné-Bissau

Sobas da Guiné-Bissau defendem paz na Gâmbia

Uma delegação de sobas da Guiné-Bissau apelou aos Gambianos para preservarem e acalentar a paz e a estabilidade prevalecentes no seu país, revelou esta segunda-feira a Presidência em Banjul.

A delegação fez esta declaração durante uma audiência que lhe concedeu o Presidente gambiano, Adama Barrow, no Palácio Presidencial de Banjul.

“Os Gambianos devem dar importância à paz que existe neste país”, frisaram os sobas bissau-guineenses na mesma ocasião.

Vindos dum país, cuja história é marcada por uma longa guerra civil e atos de violência política intermitentes, os sobas recomendaram aos seus irmãos e irmãs gambianos para se amarem cada vez mais e dialogarem em caso de desacordo, porque, a seu ver, a guerra e a violência apenas levam destruição e estagnação social.

Esta visita intervém numa altura em que os Gambianos estão divididos sobre a questão do mandato (de três anos) do Presidente Barrow, que termina em dezembro de 2019, como o prometeu durante a sua campanha eleitoral em 2016.

Um grupo não pardidário, denominado “Three Years Jot Na” (O três anos passaram), insta o Presidente Barrow a respeitar a sua promessa eleitoral e deixar o poder em dezembro próximo, sob pena de fazer face a protestos ou à desobediência civil por parte dos membros do grupo.

Ao passo que uma outra parte da população gambiana deseja que Barrow continue o seu mandato até dezembro de 2021, data do fim do mandato constitucional de cinco anos.

Os sobas visitaram o Presidente Barrrow no quadro duma série de encontros de discussão começada pela Embaixada da Gâmbia em Bissau com vista a reforçar os laços culturais históricos entre os dois países.

Reagindo a este apelo, o Presidente Barrow disse que “hoje, a Gâmbia e a Guiné-Bissau representam o antigo Gabou e o Fouladou, impérios que existiam antes do traçado das fronteiras da colonização.

“As populações, por conseguinte, partilham as mesmas culturas, tradições e valores de paz, de unidade e de fraternidade”, pode ler-se num comunicado da Presidência gambiana.

“Os chefes foram ainda os guardiões da paz e da tradição nesta cultura. Contudo, exorto-vos a ficar firme no vosso trabalho de defesa para garantir que os nossos povos continuam a viver na paz e na harmonia em todo momento”, acrescentou o Presidente Barrow.

O estadista gambiano pediu-lhes para trabalharem juntos a fim de realizarem os sonhos dos pais fundadores de África que são a a paz e o desenvolvimento do continente africano. (Panapress)

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close