AFREXIMBANKÁfricaDestaquesEntrevistas

Benedict Oramah: O comércio internacional é um jogo de sobrevivência do mais apto

Nesta entrevista abrangente, o Professor Benedict Oramah, o Presidente do Afreximbank, compartilha suas idéias filosóficas sobre o lugar da África no mundo hoje e nos lembra de nosso dever de entregar à próxima geração todo o potencial de nossas capacidades.

NA – Existem algumas semelhanças entre a crise da dívida da América Latina na década de 1980 e a atual na África. O que podemos aprender com isso que será útil para a crise que enfrentamos agora?

Na década de 1980, a África era fortemente dependente de commodities. Para muitos países, as commodities representaram mais de 80% do total das exportações e mais de 50% das receitas fiscais. Na verdade, para alguns países, os preços das commodities definiram as principais variáveis ​​macroeconômicas – a saber, receitas fiscais, receitas de exportação, reservas e conta corrente.

O segundo desafio era o da dependência excessiva de alguns mercados, com a Europa respondendo por mais de 75% do comércio africano total. Esse excesso de concentração expôs o continente a choques extremos.

Foi a crise da dívida latino-americana que revelou essas fraquezas. A consequência da crise foi o colapso dos preços das commodities e a retirada dos bancos internacionais do financiamento do comércio africano devido à percepção de risco excessivo do país.

Quando os fundadores decidiram criar o Afreximbank, eles imaginaram uma instituição que estaria bem posicionada para lidar com os desafios relacionados à dependência excessiva de produtos primários, déficit de agregação de valor e concentração de mercado.

Eles previram uma instituição que recorreria a uma melhor gestão dos riscos e da volatilidade global para melhorar a integração de África na economia global.

A ênfase na carta do Banco na promoção do comércio intra-africano e do comércio África-Sul reflete essas considerações. A crise da dívida trouxe à tona esses desafios e moldou os contornos da instituição que dela emergiu.

O mundo testemunhou uma grande mudança na cartografia do comércio africano nos últimos anos, com o comércio Sul-Sul se tornando um dos principais motores do comércio e do crescimento africanos.

Com o tempo, o Afreximbank também se tornou um instrumento importante para a gestão de resposta à crise na África, fornecendo apoio anticíclico para ajudar seus países membros a absorver melhor vários choques económicos adversos associados a ciclos recorrentes, trabalhando em estreita colaboração com o setor privado africano para expandir as oportunidades econômicas durante subidas e suavizando os golpes durante as contrações.

O Banco Mundial desembolsou mais de US $ 10 bilhões em seu Mecanismo de Liquidez de Comércio Contracíclico para ajudar o continente a conseguir um ajuste ordenado para o choque de preços de commodities de 2015/16. Por meio de seu Mecanismo de Mitigação do Impacto da Pandemia no Comércio, o Banco Mundial está ajudando a conter as consequências sociais e econômicas da pandemia Covid-19 em seus países membros.

NA: Qual a importância da Palestra Babacar Ndiaye para a memória institucional do Banco?

BO: A Palestra Babacar Ndiaye foi criada há quatro anos em homenagem ao falecido Dr. Ndiaye – ele foi o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento durante 1985 a 1995 e um dos pilares do Afreximbank – para sustentar sua visão de usar instituições continentais fortes como instrumentos para concretizar o desenvolvimento e integração de África.

O Afreximbank nasceu e foi inspirado pela sua visão e pela relevância das instituições que ajudou a criar enquanto estava à frente do Banco Africano de Desenvolvimento como seu quinto Presidente.

Seu legado é evidente no impacto de desenvolvimento que essas instituições tiveram ao longo dos anos. Por meio desta palestra, esperamos que sua memória seja mantida viva e suas contribuições excepcionais e compromisso com a África inspirem futuras gerações de africanos.

Portanto, a história é realmente muito importante. Estamos sempre cientes de que você só pode definir significativamente seu futuro se conhecer sua história. Usamos as lições da história para moldar nossa visão para o amanhã.

Se não tivermos mecanismos que permitam à atual geração de quadros do Banco repassar sistematicamente informações a quem a dirigirá amanhã – sobre o que motivou a criação do Banco – a instituição perderá a alma.

Ela perderá o rumo e potencialmente se tornará uma instituição sem visão e sem propósito. A base para enfrentar os desafios que o Banco deve enfrentar com coragem não existirá mais.

NA: A história nos diz que é mais fácil criar instituições do que preservar e sustentar seus fundamentos filosóficos e ideológicos. O mundo está mudando; como você se certifica de permanecer relevante?

BO: Quanto mais sucesso você tem, mais riscos você enfrenta. Os riscos vêm de muitos ângulos. Como um banco, conforme vocêcresce, você precisa de mais capital. Porque você quer mais capital, você procura mais investidores, públicos e privados. Quando você atrai mais investidores, traz diferentes ideias e talentos para a organização.

A menos que você esteja vigilante, a filosofia original que levou à criação da instituição torna-se cada vez mais diluída com o tempo. Esse é um dos principais riscos que o Afreximbank enfrentará. Portanto, assim como valorizamos as coisas em que acreditamos, cada membro da equipe, cada estado participante deve permanecer fiel aos ideais do Afreximbank.

Estamos em um mundo cada vez mais competitivo. O mundo pode parecer normal para a mente comum, mas eu posso te dizer, é uma selva lá fora. Os africanos devem proteger os seus. É um tolo quem se senta na palma das mãos e espera que um concorrente lhe revele os segredos do sucesso!

O Afreximbank é uma instituição que terá um papel ainda mais importante e crítico no processo de desenvolvimento econômico da África. No contexto da Covid-19, participou no estabelecimento da Plataforma Africana de Suprimentos Médicos (AMSP) para permitir a aquisição conjunta de suprimentos médicos por países africanos, garantindo que as economias menores se beneficiem dos preços reduzidos decorrentes de volumes maiores.

Através das suas intervenções em várias áreas e trabalhando em estreita colaboração com a Comissão da União Africana (CUA), o Banco está a apoiar activamente a implementação do AfCFTA. Estamos fazendo isso porque acreditamos que é a chave para redimir o orgulho da África. É por isso que a Promoção do Comércio Intra-Africano é a seta à frente da Estratégia do Banco. Vamos juntar tudo o que temos para fazer do AfCFTA um sucesso. 

Em poucas semanas, o Sistema Pan-Africano de Pagamentos e Liquidação (PAPSS), que o Afreximbank está defendendo sob os auspícios da União Africana, começará a operar e permitirá que os africanos paguem pelo comércio intra-africano em suas moedas locais. Isso iniciará o processo de derrubar os 84.000 km de fronteiras que nos dividem.

Por meio de um Esquema de Garantia de Trânsito Colaborativo Africano sendo implementado com a União Africana e as Comunidades Económicas Regionais, o Banco Mundial facilitará o fluxo contínuo de mercadorias através dos corredores de trânsito.

O Mecanismo de Ajuste do AfCFTA, que o Banco Mundial está organizando, permitirá que os países se ajustem de maneira ordenada às perdas repentinas de receita tarifária devido à implementação do acordo.

E através do seu apoio ao setor privado, o Banco ajudará a eliminar as restrições do lado da oferta que minaram a diversificação das fontes de crescimento e expansão do comércio intra-africano.

O jogo do comércio internacional não é um jogo de amor. É um jogo de sobrevivência do mais apto. Nunca devemos esperar que qualquer grupo de pessoas nos ame mais do que eles se amam. Devemos sempre nos esforçar para ganhar um lugar à mesa e não esperar implorar para ser convidado para a mesa!

Não devemos esperar que alguém nos trate de uma forma que faça essa pessoa perder. Só podemos conseguir aquilo pelo que lutamos. É por isso que o Afreximbank continua e se tornará uma ferramenta ainda mais importante para o continente em sua busca por crescimento e aumento de competitividade no futuro.

Por ser um instrumento crítico, também deve estar pronto para enfrentar os desafios e riscos globais. A forma como esses riscos são administrados depende de quem dirige o Banco, de seus proprietários, dos países que o consideram seu instrumento.

NA: Qual é o tamanho do Banco hoje, e ele tem munição para ser capaz de apoiar o crescimento da África no que vai ser um ano desafiador?

BO: O Afreximbank foi criado como uma instituição de ‘falha de mercado’. Cada vez que o continente vivia uma crise, o Banco expandia suas operações para apoiar seus países membros.

Cada africano que reserva um momento para olhar para a história do Banco deve estar muito esperançoso quanto ao futuro do nosso continente: é um banco que nasceu no auge do afro-pessimismo; um banco que foi criado no auge de uma crise económica sem precedentes; um banco que foi criado quando muitos países que deveriam apoiá-lo lutavam para sobreviver. Apesar dos desafios que o continente enfrentava naquela época, eles apoiaram resolutamente o Banco. A história mostra que eles colocam seu dinheiro onde estão suas bocas!

Acho que todo africano, toda criança nascida na África, deveria dedicar um tempo para olhar e estudar a história do Banco Africano de Exportação e Importação. Um banco que tinha ativos de cerca de US $ 140 milhões há cerca de 25 anos, tem ativos e passivos contingentes de cerca de US $ 22 biliões hoje. Um banco que estava obtendo receita bruta de cerca de US $ 12 milhões em seu primeiro ano de operação atingiu uma receita bruta de mais de US $ 1 bilhão.

Mas, além de criar valor, estamos falando de um banco que tem sido capaz de cumprir seu mandato e inovar de maneira consistente para ajudar seus países membros a lidar com a volatilidade e incerteza globais.

O Mecanismo de Liquidez do Comércio Contra-Cíclico, concebido pelo Banco no auge da crise das commodities 2015/2016, ajudou seus países membros a lidar com uma crise de proporções ainda maiores do que a crise dos anos 1980. O Afreximbank interveio com força e desembolsou cerca de US $ 10 bilhões para economias importantes que impediram que a crise real do setor se aprofundasse e se transformasse em uma crise financeira.

Se não fosse pelo Afreximbank, hoje não poderíamos dizer que a Costa do Marfim é a economia com maior capacidade de processamento de cacau do mundo. Não falaríamos hoje de africanos implementando um projeto de grande magnitude na Tanzânia, uma barragem construída por empresas egípcias no valor de US $ 2,9 bilhões financiados por africanos.

Sem a existência do Banco, os desafios de implementação do AfCFTA teriam sido ainda maiores. A África não estaria ansiosa por um Sistema Pan-Africano de Pagamentos e Pagamentos (PAPSS). O Banco foi filho da necessidade, mas hoje é o motor da transformação econômica.

NA: Disseram-nos que você gosta de música e que Bob Marley e Fela Ransome-Kuti estão entre seus artistas favoritos. O que atrai você para eles?

BO: Há um escritor e filósofo americano que gosto de ler, o professor Frank Heywood Hodder. As pessoas dizem que é a revolução que traz mudanças, mas Hodder discorda disso. Ele diz que se nada mudasse, não haveria revolução. Em outras palavras, é a mudança, a mudança drástica que traz a revolução. Bob Marley e Fela Kuti não surgiram por acaso, surgiram por causa da mudança drástica que viram no continente africano.

Um continente que foi grande, um continente que teve Mansa Musa, que teve grandes reinos, os Reinos do Mali, o Reino do Zimbabué, o Reino do Daomé.

Um continente que teve esses grandes reinos e os grandes faraós foi posto de joelhos pelo colonialismo, pela escravidão e, como resultado, foi reduzido à periferia do esquema global das coisas.

Essas destruições trouxeram a mudança drástica. É essa mudança drástica que fez Bob Marley e Fela Kuti revolucionários, para aqueles que querem chamá-los de ‘revolucionários’.

Mas, para alguns de nós, esses músicos foram grandes e inspiradores líderes. Eles nos lembram, através da música, de quem somos, lembram-nos das nossas responsabilidades com o nosso continente, com o nosso povo!

Eles nos dizem a verdade sobre o que devemos fazer. Eles garantem que aqueles que os ouvem saiam com algum conhecimento do que significa identidade. A identidade que você possui, não a identidade que você adquire ao tentar pertencer. 

É esse conhecimento que ajuda qualquer ser humano de caráter a determinar o tipo de contribuição que fará na vida. Por causa disso, esses dois homens foram líderes excelentes e inspiradores.

Eu os ouço porque cada peça de sua música tem um significado e vai te ensinar uma grande lição sobre como continuar a luta para tornar nosso continente melhor para aqueles que estão vindo depois de nós, porque não podemos fingir que as coisas estão bem.

Aqueles de nós que estão em uma posição privilegiada devem usar essa posição para o bem de nosso povo. Não devemos ficar cegos para as dificuldades que muitos outros estão enfrentando. É a música de Fela Kuti e a música de Bob Marley que nos contam isso em nossos quartos, em nossas salas e em nossos carros.

NA: Que papel a coragem desempenha no processo de desenvolvimento econômico e, de maneira mais geral, no seu compromisso de usar um aforismo para tornar a África grande novamente?

BO: O comércio internacional é um jogo de competição acirrada, em que a coragem é necessária. Isso me leva de volta à música de Fela Kuti. Quando você enfrenta um grande desafio, há duas opções: ou você cria coragem para enfrentar o desafio ou procura desculpas e abandona o problema.

Mas o problema não vai embora. Achamos que escapamos dela, mas ela vai esperar por nós e nos colocará em dificuldades ainda maiores no futuro.

Em relação ao jogo que estamos jogando no comércio internacional e no desenvolvimento, devemos considerar quais são os obstáculos? A menos que desenvolvamos uma estratégia para superar obstáculos, continuaremos subdesenvolvidos.

A África deve ter a coragem de desafiar o status quo e desafiar os atuais. A África foi perturbada e reduzida aos degraus mais baixos do desenvolvimento global. Para se erguer novamente, ele deve encontrar maneiras de perturbar economicamente a ordem estabelecida hoje. Isso exigirá inovação, trabalho árduo e um forte senso de propósito como um kit de ferramentas importante.

Os desafiadores não são para os medrosos. Devemos ter a coragem de desafiá-los. A menos que façamos isso, permaneceremos subservientes.

Somente quando enfrentarmos os desafios que temos pela frente, o mundo nos tratará com respeito. É então que podemos fazer um mundo melhor para nós e para os outros. Podemos ter um mundo melhor para todos na terra.

NA: Você tem trabalhado na criação de plataformas para desbloquear as restrições do comércio na África. Você pode nos atualizar sobre esses projetos?

BO: No mundo de hoje, qualquer instituição que ignora a tecnologia o faz por sua própria conta e risco. Este é um continente de 55 países fragmentados. Este é um continente tão grande que poderia caber na Europa, China e Estados Unidos e ainda ter terras extras. Um continente que tem um total combinado de 84.000 km de fronteiras.

A tecnologia é a única forma de unir o continente e a única coisa que pode agregar valor a qualquer instituição nos próximos cinco a dez anos. Estamos investindo muito em tecnologia porque acreditamos que precisamos para nossa própria eficiência e, de fato, sobrevivência!

Recentemente, lançamos nossa plataforma de repositório de due diligence de cliente, apelidada de Plataforma MANSA, que esperamos se torne um repositório central para due diligence de cliente na África.

No momento, estamos preenchendo essa plataforma. Estamos prestes a começar a testar o Sistema Pan-Africano de Pagamentos e Liquidação (PAPSS), uma plataforma que permitirá que o comércio intra-africano seja liquidado em moedas locais africanas, reduzindo assim o conteúdo em moeda estrangeira do comércio. Essa plataforma possibilitará ao Afreximbank compensar várias moedas.

O PAPSS reduzirá os custos de transação no comércio intra-africano e retornará ao comércio do continente que atualmente é desviado para fora da África devido a restrições de câmbio e liquidez.

Também estamos lançando um Portal de Informações Comerciais que será habilitado por inteligência artificial. O portal permitirá prever cadeias produtivas regionais e facilitará muito a pesquisa de mercado. Estes são apenas alguns dos ecossistemas de tecnologia que estamos construindo e que designamos como African Trade Gateway.

NA: O Banco tem estado intimamente envolvido no AfCFTA como parceiro da União Africana. Quais são as ações-chave restantes que devem ser realizadas para garantir o sucesso do AfCFTA, com data de início em 1º de Janeiro de 2021?

BO: O lançamento do AfCFTA é um ato político. Cria um quadro que tornará possíveis outras coisas muito críticas: a concretização da visão de integração do continente através do comércio e dos investimentos. Isso está no lado político.

O lado comercial é ainda mais crítico e para que funcione, as negociações sobre as concessões tarifárias devem ser feitas de uma forma que acelere a transformação das economias africanas para diversificar as suas fontes de crescimento e impulsionar o comércio extra e intra-africano.

As regras de origem atualmente em negociação podem impulsionar o desenvolvimento do setor privado e apoiar uma adesão mais ampla, se feito de maneira adequada. Ao mesmo tempo, é fundamental mobilizar diretamente a comunidade empresarial, que impulsionará o processo de transformação estrutural. Um sistema baseado em regras deve ser ancorado em um Mecanismo de Solução de Controvérsias sólido. Isso também está em andamento.

Os países também devem perceber que os benefícios do AfCFTA podem vir lentamente e o processo contínuo de aprofundamento da integração pode ser repleto de dificuldades episódicas. Mas os países e governos não devem usar essas dificuldades como desculpa para atrasar ou retardar a implementação do AfCFTA.

O financiamento também é fundamental para o sucesso do AfCFTA e o Afreximbank está a desempenhar o seu papel no esforço continental para aprofundar o processo de integração económica. O Banco já desembolsou cerca de US $ 20 biliões em apoio ao comércio intra-africano e espera fazer muito mais à medida que avança a implementação do AfCFTA.

Outro factor crítico para uma implementação bem-sucedida é a melhoria da qualidade e disponibilidade das informações comerciais. O comércio é acionado por informações e não pode ocorrer no vácuo. 

O Afreximbank está investindo fortemente no desenvolvimento de um Portal de Informações Comerciais e Regulamentação para apoiar a identificação de cadeias de abastecimento regionais. O Observatório do Comércio da União Africana também será uma importante fonte de informação comercial.

Mais importante ainda, o Secretariado do AfCFTA será fundamental para garantir o sucesso. Como uma nova iniciativa, o profissionalismo será crucial. O Secretário-Geral, Sua Excelência Wamkele Mene, vem totalmente equipado tanto intelectualmente quanto do ponto de vista do conhecimento prático. Ele carrega uma grande responsabilidade e exigirá o apoio de todos os africanos.

Não podemos nos dar ao luxo de entregar à próxima geração um continente com potencial que nunca se concretiza. A geração africana à qual pertenço – nascida durante o período da independência no início dos anos 1960 – entrou no mundo em um continente libertado por seus pais e avós, que fizeram enormes sacrifícios, inclusive pagando o preço final.

Esses pais tinham grandes expectativas para nossa geração e além. Estamos trabalhando muito para atender a essas expectativas. Mas estou ainda mais feliz que a geração ponto.com seja mais inteligente e trabalhe ainda mais duro para garantir que o continente africano opere no mesmo nível que os outros. (New African)

Nota: * O professor Benedict Oramah foi nomeado um dos 100 Africanos Mais Influentes de 2020 da revista New African

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker